PrimeiraMente - Revolta Latina - Clickletras.com.br


Letra Revolta Latina


(Raillow)
Versos de uma noite insana, insônia colombiana
Pra nós viver e nem ver passar a semana
E os contratantes não me manda, só ouço Th
Vê o Dj, os moleque, minha mãe e minha dama
E eles falaram que é fácil fazer o que eu faço
Fazer vários shows sem saber se vem grana
É o Michael das faculdades, o zoião dos campana
Sangue fervendo, revolta republicana
É quando bate a neurose
E você não tem sono e nem cama
E eu luto pra mudar, mas sei que antes de mudar
A natureza vai engolir tudo, mano
Dias cada vez mais quentes
Gentes, propício a enchente
E o nosso solo tá rachando, mano
Pms batendo na gente, corrupção na frente
Fudendo a gente, mano
E nas esquinas, comércio de entorpecentes
E as mina que se vende
Os problemas da gente na justiça demora um ano
Foda, patrão mestiça, mano
Racismo com a gente vai da mídia até a polícia, mano
Um vinho catarinense, chocolates da suiça
Conforto pra gente aproveitar a vida, mano
Sobreviventes onde vendem curas pra pacientes
Sem dinheiro e sem saída, mano
Mas ainda estamos vivos
Quando se pensa o que pensam (ha, ho)
Essa é a revolta latina, mano

(Refrão
E tem poder demais nas mãos erradas
Injustiça e hipocrisia na farda
Porque porcos vomitam pérolas, cédulas
Dinheiro imundo gira o mundo
Pena que controla as mentes

(Gali)
Eu busco a paz pra minha alma aflita, grita
Traduzindo a escrita, cripta
Criptografada, terráqueo não sabem de nada
Por um amanhã melhor, suborna a testa
Nem testa a minha paciência, minha fé
Que não dá mais pesca
Ilusão, um pescador
Não vou me deixar levar (não se deixe levar)
Porque um amor que me faz persistir
E eu não vou desistir até minha coroa estar bem à pampa
Trampar justo ao din, faz sumir
Morar na praia e ver o sol nascer
B. O nenhum pra resolver
E eu dou valor pra quem tá sempre aqui
Rap é a união, então pra que dividir?
Se mata pra fazer os corre
Que quem não corre, não alcança

(Leal)
São só promessas não cumpridas
Normais em todas vidas
Idas e vindas, deixando cromados esses peitos de aço
Sonhou, acabou, marca, pegou, levou mais um
Então eu vou modificar meus passos
Aí digo: não é fácil fazer o que faço
O inimigo tá sempre pronto pro arregaço
Eu desafio a lei do cão
E ele clama por espaço
Ensinamentos de livro nunca trouxeram toda experiência
Pois com ausência daquilo que eu vivo
Ou são só teorias, nenhuma vivência
Com a vida na grade (óh)
O peixe na rede (óh)
Sede de vida
Pois flor não brota em asfalto
E só aranha gosta de parede
(Eu não meto a mala)
É sem simpatia, entende?
Se quando eu choro é de verdade
Então, não sorria artificialmente
Mente aquele que diz que nunca quis dinheiro
O que eu não quero é olhar pro meu filho
E falar que hoje não dá, não tá tendo
Vai veno, são só dezenove, são só dezenove
Eu já fiz os meus corre, me adiantei
Eu fiz tudo que eu sei, não peguei no revólver
(Vai vendo, vai vendo, são só dezenove, são só dezenove)
Eu já fiz os meus corre, me adiantei
Eu fiz tudo que eu sei, não peguei no revólver

(Refrão
E tem poder demais nas mãos erradas
Injustiça e hipocrisia na farda
Porque porcos vomitam pérolas, cédulas
Dinheiro imundo gira o mundo
Pena que controla as mentes