Luiz Carlos Borges - Despetalada - Clickletras.com.br


Letra Despetalada


Tem quarto, dona Isolina?
A rosa, mas quem diria
É pra ver, dona Isolina
Então voltou a ser china?
E seu amigo brigaram?
Brigamos. Me pôs pra rua
Cortou-me a carne e as asas
E a mim, agora, o que resta
Se não voltar pras casas?

Tinha quarto para a Rosa
No cabaré da Isolina
Cama, bidê e bacia
Mais a lâmpada azulada
Uma flor despetalada
Na ponta magra de um fio.

Rosa pendura nos pregos
Seus restos de amigação
Salvados de seus naufrágio
De corpo e de coração
Suas rendas e seus risos
Anéis, berloques de guisos
Lembranças de deserança
Queimando como tições

Vinte anos de cansaços
Se estiram sobre o lençol
Onde manchas pardacentas
São como escarros de sol

Nunca digas dessa água
Não beberei. Vem o dia
E Rosa o vive morrendo
Em que um esgoto escorrendo
Sabe a puros de cacimba