Bizarra Locomotiva - Febre de Icaro - Clickletras.com.br

Letra Febre de Icaro

Na Febre de Ícaro

Acolho o misantropo pregador
De irresistível e granítica dureza
Nos quotidianos submersos - Outrora mendigados à cegueira
Convulsa das naturezas mortas

Conheço a solidão
Do permanecer acordado
Consumo o último pacote de rostos negros
E invejo os exemplos - Que faltam neste local

Na febre de ícaro
Morto, sonho mais alto
Na febre de ícaro
Escuto os silêncios

Descia alegre e barulhento
Ofertavam-me sorrisos
Mas eu queria saber um pouco da morte

Era o momento - De imaginar as asas que trago
Morrendo sonho mais alto
De olhos abertos - E ventrículo serrado
Escuto o silêncio de quem consente

Na febre de ícaro
Morto, sonho mais alto
Na febre de ícaro
Escuto os silêncios